Salmos da pandemia


Por estes dias caiu-me às mãos esta frase de Victor Hugo, romancista francês muito conhecido: “Há pensamentos que são verdadeiras orações. Em dados momentos, seja qual for a postura do corpo, a alma está de joelhos”. É bem assim, principalmente neste mar de angústia no qual nos movemos hoje, numa sociedade vitimada pela pandemia.


Na Sagrada Escritura tem o Livro dos Salmos. É um compêndio ancestral de orações em forma de hinos e cânticos, composto através dos séculos. Ali estão contidas as aspirações mais profundas do ser humano diante de si mesmo, da vida e do desconhecido. Já que a oração é levar o finito da terra até o infinito do céu. Por trás de cada salmo está uma alma de poeta, em sua maioria anônimos.

Entre os muitos salmos, um em especial é apropriado para este tempo que vivemos, o Salmo 91 (90) que assim começa: “Você que habita no abrigo do Altíssimo e te abriga na sombra do Onipotente, dize ao Senhor: Meu Refúgio, minha rocha protetora, meu Deus, eu confio em ti”. É a súplica de alguém que busca refúgio no templo, à sombra do altar de Deus, buscando proteção e forças para superar as dificuldade.


Deus é o refúgio do ser humano, que pressente no seu íntimo que é amado por Ele. É sabedoria buscar refúgio junto a quem pode nos proteger. Em Deus, podemos confiar totalmente, ele nos promete; “Eu o defenderei, pois você conhece o meu nome (v. 14). Apesar do filósofo E. Kant ter afirmado que o valor da oração é apenas subjetivo e o desejo de falar com Deus é absurdo, o ser humano reza, e principalmente nos momentos mais difíceis. Estes momentos conduzem as pessoas para uma humildade desconhecida dos filósofos e entendidos deste mundo que rejeitam Deus, mas fazem tudo para ficarem no seu lugar.


Este salmo é uma meditação sobre o tempo que passa e o que vai acontecendo ao ser humano. Fala da condição humana através de imagens. Fala da duração da planta comparada à vida humana que também é breve, da história humana cheia de contradições, o tempo cósmico e a perpetuidade divina. Tudo vai passando, nós passamos. Deus não passa! O salmista reconhece que todo o poder e sabedoria pertencem a Deus, nós não damos conta de entender.


Fala-se ainda de um quarteto sinistro (v.4 e 6): a “flecha” que voa de dia sem que saibamos seu percurso, o “terror noturno” que traz insegurança, a “peste” que desliza nas trevas, a “epidemia” que que faz estragos à luz do dia. O Senhor, no entanto, promete proteção e vitória ao que reza: “Caminharás sobre leões e víboras e pisotearás os dragões. A desgraça não se aproximará de ti nem a praga chegará à tua casa” (v.10).


Deus enfim promete ao fiel; “Porque me ama eu te salvarei” (14). Para defender dos caçadores dos perversos, das pragas e desgraças, o Senhor enviará seus anjos que oferecerão refúgio e mostrarão o caminho. O Senhor promete que aqueles que nele confiam desfrutarão da sua salvação.


Rezemos portanto, peçamos ao Senhor para que passe logo esta pandemia. Ponhamos nosso coração nas nossas orações porque “não chegarão aos ouvidos do Eterno palavras sem sentimento” (W. Shakespeare).


* Artigo por Dom Pedro Carlos Cipollini, Bispo da Diocese de Santo André

Posts Em Destaque
Posts Recentes