November 17, 2019

November 1, 2019

Please reload

Posts Recentes

Avisos

November 17, 2019

1/3
Please reload

Posts Em Destaque

Educação: Uma questão séria

Neste mês, milhares de pessoas foram às ruas, protestar contra cortes no orçamento na área da educação. Em todas as capitais, e mais 130 cidades, houve protestos. Participaram estudantes, professores de escolas e universidades públicas e privadas além de outras entidades.
 

O atual governo já trocou o ministro da educação e agora anunciou cortes na verba destinada a este importante setor da vida social. Já na antiga Grécia o filósofo Pitágoras asseverava: “Educai as crianças e não será preciso punir os homens”. Certamente teríamos menos presídios, se tivéssemos mais escolas e um sistema educacional eficiente.

 

A palavra educar vem do latim “educere”, que significa extrair, desenvolver. É o processo de desenvolvimento e formação da personalidade. Não pode ser confundida com a mera adaptação do indivíduo ao meio, ou à preparação do indivíduo para uma profissão. A educação é atividade criadora, que visa levar o ser humano a realizar as suas potencialidades físicas, intelectuais, morais e espirituais.

 

Pela sua importância na formação dos cidadãos e cidadãs, a educação é uma preocupação constante. Sem aprimorar a educação não conseguiremos ter uma Pátria segura e desenvolvida, um futuro digno para todos. Julgo ser o maior problema de nosso país a questão da educação, até hoje mal resolvida porque não depende só de verbas e projetos bons, isto existe, mas depende sobretudo, de vontade política. Quando a educação for a prioridade número um para o governo e os governados, resolveremos todos os outros problemas da sociedade. Seremos um povo capaz de perceber que a Nação vai bem, não só quando a economia vai bem, mas quando o povo vai bem e vive feliz, e sabe trabalhar por isso com eficiência.

 

Com propriedade afirmou o atual reitor da USP Prof. Vahan Agopyan, para o qual, reduzir recursos em educação é uma decisão política, que países mais desenvolvidos não tomaram mesmo em momentos de crise como após uma guerra, por exemplo (cf. Folha de S. Paulo 18/05/19 – Cotidiano B1). A implementação de um processo educacional eficiente é capaz de solucionar as crises e questões básicas que travam o desenvolvimento de uma nação. Todos os países desenvolvidos investiram de forma prioritária na educação.

 

A educação é um dos direitos fundamentais do homem, consignado no art. 26 da Declaração Universal dos Direitos Humanos (O.N.U.). A Constituição Brasileira estabelece no artigo 8º, c. XIV a competência da União para legislar sobre as diretrizes e bases da educação nacional. No art. 176 ela determina: “A educação, inspirada no princípio da unidade nacional e nos ideais de liberdade e solidariedade humana, é direito de todos e dever do Estado e será dada no lar e na escola”.

 

A Igreja Católica iniciou no Brasil, com os jesuítas o processo de educar. Ela tem uma vasta folha de serviço prestado à Nação na área da educação. Em uma época que o Estado não tinha condições a Igreja manteve vasta rede de escolas em todos os níveis, para crianças, adolescentes e jovens. De certa forma supriu o papel e o dever do Estado. E continua a fazer isto. Nesta matéria cada um e cada instituição deve dar sua contribuição.
 

“O verdadeiro órfão é aquele que não recebeu educação” (E. de Condillac). A educação é para o homem o que é para o barro o molde: dá-lhe forma. Daí que sem esta formação que começa em casa e continua na escola, muitas crianças não têm condições de crescerem aptas para a vida, o trabalho e para a convivência na sociedade.
 

A convivência pacífica em sociedade, que cada vez se torna mais problemática depende da educação. Sem ela teremos não só uma “sociedade líquida” no dizer de Z. Balman, na qual tudo é incerto e errático, mas também uma “sociedade do egotismo”, dominada pelo culto narcisista de si e da própria cultura pessoal do indivíduo, erigida em fim supremo da própria conduta.

 

Uma guerra é a mais nítida imagem do que é a vida em sociedade onde não se leva em conta a educação. Será que, no Brasil não estamos em uma guerra disfarçada?

 

*Artigo de Dom Pedro Carlos Cipollini para o jornal Diário do Grande ABC

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo