July 2, 2020

Please reload

Posts Recentes

Quermesse Drive Thru!!!

July 2, 2020

1/3
Please reload

Posts Em Destaque

Vença o mal pelo bem!

 

Lendo aqui no Diário a reportagem sobre mulheres benzedeiras que ainda subsistem em nosso meio, recordei-me de Nhá Chica, hoje já bem conhecida no Brasil após sua beatificação ocorrida em 4 de maio de 2013.

 

Viajando pelo interior de Minas Gerais, cheguei a Baependi. Cidade antiga, encarapitada na encosta de uma colina, como soe acontecer no mar de morros que é Minas Gerais. Ali tomei conhecimento da existência de Nhá Chica, nome com o qual passou a ser conhecida Francisca de Paula de Jesus.

 

Nasceu em 1810 em S. João Del Rei, veio para Baependi com dez anos mais um irmão e a mãe. Morrendo a mãe e tendo o irmão se arrumado, a jovem resolveu seguir o conselho da mãe: viver para a oração e a caridade. Recusando propostas de casamento, morou a vida toda em casa modesta que ainda hoje se conserva. Aí dedicou totalmente a fazer a todos, todo o bem possível.

 

Devota de Nossa Senhora da Conceição, viveu vida de oração, baseada na sua grande fé. Era analfabeta, mas procurou quem pudesse ler-lhe os Evangelhos. Modesta, virtuosa, foi reconhecida como o anjo da cidade, gozando de apreço e simpatia de todas as camadas populares. Mulher pobre, mas rica de fé. Fé que agia através da caridade. Era a mãe dos pobres.

Nhá Chica, ficou famosa em toda a região. Era procurada por pessoas que lhe pediam oração ou uma palavra de conforto e esperança, uma bênção. Através dela Deus operava milagres. Com o passar do tempo vinham pessoas consultá-la. Despida da ciência das escolas, tinha em alto grau a sabedoria de Deus. Pessoas instruídas, até mesmo titulares do Império, iam ouvir suas opiniões sempre ajuizadas.

 

Um médico e livre pensador, Dr. Henrique Monat, deixou publicada uma entrevista que teve com Nhá Chica, segundo ele “uma celebridade em todo o sul de Minas” na época. Faleceu aos oitenta e dois anos, foi sepultada, depois de cinco dias de velório com grande afluência do povo, na Capela que havia construído. Esta capela é hoje o santuário visitado por pessoas do Brasil todo.

 

Em 1846 a princesa Isabel visitou Baependi e foi protagonista de festividades esplêndidas. Hoje, nada na cidade lembra este fato, nem mesmo uma placa. No entanto, a cidade deixa transpirar o suave perfume desta mulher, que os bispos do sul de Minas propuseram ao Vaticano como candidata aos altares.

 

Nhá Chica, era clarividente, deixa-nos o testemunho do valor da oração. Jesus diz que é necessário orar sempre e que a oração remove montanhas. A oração bem feita não só nos aproxima de Deus, mas é fonte de equilíbrio porque nos revela a nós mesmos.

Deixa-nos também o testemunho do valor da caridade como realização pessoal. Ao ajudarmos os outros, podemos concluir que, muito mais ajudamos a nós mesmos. Quem faz o bem fica cada vez mais bom, ao passo que nem sempre o bem que se faz é aproveitado pelos outros.

 

Na quinta-feira dia 9 aqui em Santo André, a jovem Paula de Freitras Silva, foi morta com um tiro ao ser assaltada tendo de entregar seu celular. Um crime que mostra-nos a banalidade do mal que existe entre nós, e faz muitos desiludirem de buscar uma sociedade mais justa e fraterna.

O exemplo de Nhá-Chica nos mostra que todos podemos fazer alguma coisa, mesmo a partir da sua pequenez e pobreza, para melhorar este mundo, no qual as sombras do mal  assustam, mas a luz da bondade ilumina e prevalece.

 

Nhá Chica é uma mensagem clara de que o mal se vence com o bem.

 

Dom Pedro Carlos Cipollini

Bispo Diocesano de Santo André

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags